domingo, 22 de agosto de 2010

Noite

A noite é a minha anestesia
Os sonhos invadem a minha cabeça
Eu não consigo respirar
Minha cabeça da mil voltaas
E eu vivo a minha utopia
Noite solitária e vazia
Fria, escura e triste
Por um momento eu tento esquecer da dor
Mas as vezes ela me persegue até nos meus sonhos
Eu não entendo porque tem que ser assim
Eu preciso te ver
Você precisa me salvar dessa noite sem fim
Eu preciso ver o sol nascer
Preciso da luz
O quão longe eu preciso ir pra ver
Que a noite procura por um fim?
A única coisa que me resta
É meu amo por você
Eu me agarro firme nisso
Por que quando tudo não passar de uma utopia
A morte me acolherá
E a dor não passará de uma lembrança
Meu coração não baterá mais
Pois a única coisa que me fazia persistir
Se foi
Sem ao menos me deixar entender
Por que o seu amor é tão cruel
Mas enquanto há vida
Eu lutarei por você
Com todas as minhas forças
Até a  ultima gota do meu sangue ser derramado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário