sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Luz sem gravidade

Sozinha recordando
Enquanto os segundos vão passando
Não sei como poderei te esquecer
Cai a chuva na janela
Desenhando teu olhar
Um instante é uma eternidade
Estou cansada de sonhar sem ti
Confundir a realidade
E não sei se voltará
Para amar-me e esperar
Sem pedir-me mais nada
Em cada história há um final
Em cada amor há desamor
Somos tanta gente sozinha e diferente
Amar e ir contigo até morrer
Se pudesse ser verdade
Já não haveria escuridão
Só luz sem gravidade

Nenhum comentário:

Postar um comentário